Fabrício Boliveira e Isis Valverde vivem casal e desfrutam de sucesso meteórico em cena exclusiva de “Simonal”

0
42

Com previsão de lançamento em 2019, filme está concorrendo no festival de cinema de gramado.

“Ninguém sabe o duro que dei, pra ter ‘fon fon’, trabalhei, trabalhei”, canta Simonal em filme homônimo, que foi selecionado para o Festival de Cinema de Gramado, a ser realizado entre os dias 17 a 25 de agosto. Quem interpreta o cantor é Fabrício Boliveira, que mostra toda a extravagância do seu personagem ao dirigir uma Mercedes ao lado de Isis Valverde, que vive a famosa Tereza, esposa do rei da pilantragem, em cena: https://youtu.be/ZlAag7O5_bk. Dono de um surpreendente carisma, o carioca ganha os palcos rapidamente e em meio ao seu sucesso meteórico, consegue levantar multidões em seus shows. Ao som de “Meu Carango”, ele passeia com o carro no Rio junto com sua esposa e a leva, pela primeira vez, na casa em que eles iriam morar. Enorme, a mansão tem o toque exuberante do cantor, que faz questão de pendurar uma imensa foto sua na sala de estar.

O longa-metragem será exibido na Mostra Competitiva, no Palácio dos Festivais, no dia 20 de agosto, com presença dos protagonistas, do diretor Leonardo Domingues e parte do elenco. O filme é ambientado num rico momento da música brasileira e personagens da época circulam pelas cenas, como Erasmo Carlos, Ronaldo Bôscoli, Luis Carlos Miele e Elis Regina. Leandro Hassum interpreta Carlos Imperial, o primeiro a perceber o talento de Simonal. O elenco conta ainda com Mariana Lima, Silvio Guindane, Caco Ciocler, Bruce Gomlevsky, Fabricio Santiago, Letícia Isnard, João Velho e Dani Ornelas. Com previsão de estreia para 2019, o drama foi produzido pela Pontos de Fuga e será distribuído pela Downtown/Paris Filmes.

Antes de virar cinebiografia, a vida de Simonal foi tema do documentário “Ninguém sabe o duro que dei”, de 2009, dirigido por Cláudio Manoel, Micael Langer e Calvito Leal. “Simonal”, inclusive, traz referências do filme, além das biografias “Nem vem que não tem – A vida e o veneno de Wilson Simonal”, de Ricardo Alexandre, e “Simonal: Quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga”, de Gustavo Alonso. O diretor Leonardo Domingues também participou do processo de pós-produção do documentário.

Sinopse

O filme conta a história de Wilson Simonal, o cantor que saiu da pobreza e comandou as maiores plateias do Brasil. Dotado de um recurso vocal assombroso e domínio de palco excepcional, Simonal consegue transformar suas inseguranças da infância em grandes conquistas na idade adulta. Uma vez no topo, passa a se sentir invencível: exibe a sua riqueza e gosto por carrões e mulheres; faz propaganda de multinacionais; e se recusa a defender um discurso engajado contra a ditadura. Até que resolve ameaçar seu contador quando se vê com problemas financeiros, graças a seus gastos descontrolados, e acaba vendo seu nome envolvido com o Dops. Começa então a derrocada de uma das maiores vozes que o Brasil já ouviu.

Elenco

Fabrício Boliveira – Simonal
Isis Valverde – Tereza
Leandro Hassum – Carlos Imperial
Mariana Lima – Laura Figueiredo
Silvio Guindane – Marcos Moran
Caco Ciocler – Santana
Bruce Gomlevsky – Taviani
Fabricio Santiago – Marcelão
Letícia Isnard – Mulher de Taviani
João Velho – Miele
Dani Ornelas – Maria

Ficha técnica

Direção: Leonardo Domingues
Produção: Pontos de Fuga
Coprodução: Tvzero, Forte Filmes e Globo Filmes
Distribuição: Downtown e Paris Filmes
Roteiro: Victor Atherino e Leonardo Domingues
Fotografia: Pablo Baião
Direção de Arte: Yurica Yamasaki
Figurino: Kika Lopes
Maquiagem: Rose Versosa
Montagem: Vicente Kubrusly e Pedro Bronz
Trilha Sonora: Max de Castro e Wilson Simoninha
Produção de Elenco: Marcela Altberg
Produção Executiva: Adriana Konig
Som Direto: Marcel Costa
Produção: Nathalie Felippe
Direção de Produção: Paulão Costa

Sobre o diretor

Enquanto ainda cursava Cinema na Universidade Federal Fluminense, Leonardo Domingues começou a trabalhar como editor de cinema e TV. Ele editou documentários como “Língua – Vidas em Português”, de 2002; “Amyr Klink – Mar Sem Fim”, de 2001; e “Onde a Coruja Dorme”, 2012; além de programas de TV, como por exemplo, “Muvuca”, apresentado por Regina Casé. Durante mais de 10 anos, foi coordenador artístico da produtora TvZero, supervisionando, desde o desenvolvimento até a pós-produção, todos os projetos de cinema da produtora, como os filmes “Pindorama – A Verdadeira História dos Sete Anões”, de 2008; “Herbert de Perto”, de 2009; “Bruna Surfistinha”, de 2010; “João Saldanha”, de 2010; “Serra Pelada”, de 2013, e “Nise – O Coração da Loucura”, de 2015. Além de vasta experiência em direção de comerciais e vídeo clipes, codirigiu com Roberto Berliner o premiado documentário “A Pessoa é para o que Nasce”, em 2004. Em 2016, dirigiu seu primeiro longa-metragem de ficção: “Simonal”, que estreia nos cinemas em 2019.

Sobre a Pontos de Fuga

Seu primeiro projeto em cinema foi o documentário “Simonal – Ninguém sabe o duro que dei”, de 2009, que retrata a vida do cantor Wilson Simonal. O filme, inclusive, foi responsável pela maior bilheteria do gênero documentário do ano. Para a televisão, produziu as séries “Design Brasileiro”, de 2013, exibida pelo Canal Curta!, e “Arte Brasileira Quadro a Quadro”, de 2018, exibida pelo canal Arte1. Em 2016, lançou o documentário “Zanine – O Ser do Arquitetar”. Atualmente, está em fase de finalização do longa de ficção “Todo Amor”, dirigido e escrito por Marcos Bernstein, que conta com Cleo Pires, Juliana Didone e Igor Angelkorte no elenco. Em 2019, a produtora lança “Simonal – o Filme”, com direção de Leonardo Domingues e protagonizado por Fabrício Boliveira e Isis Valverde.